Inventário extrajudicial: mais agilidade, economia e menos burocracia

23 de março de 2021
23 de março de 2021 admin

Confira porque o inventário extrajudicial é a maneira mais rápida de garantir que uma herança seja transmitida aos herdeiros.


Em 2007, foi criada a Lei 11.441 a qual inovou o ordenamento jurídico brasileiro ao autorizar que o inventário poderia ser feito no cartório se preenchesse alguns requisitos através de um advogado.

Esse procedimento, normalmente, é mais barato do que um inventário judicial e  tem por finalidade fazer o levantamento de todos os bens e dívidas que o de cujus deixou para os sucessores deste. Posteriormente, cada herdeiro receberá a fração que corresponde a ele de acordo como a lei determina. Essa divisão é chamada de partilha.

O primeiro passo é contratar um  advogado especialista em inventário e escolher um Cartório de Notas que tenha credibilidade, pois depois de se registrar a partilha no cartório, dificilmente poderá ser revogado na justiça. 

Mas não é qualquer sucessão que pode ser feita pelo cartório, pois é necessário que estejam presentes os requisitos abaixo:

  • A presença de um advogado;
  • Todos os sucessores devem ser maiores e capazes;
  • Não devem haver divergências sobre a partilha;
  • O falecido não pode ter deixado testamento, salvo se o documento estiver caduco ou for revogado.
Diferentemente do que ocorre no judicial, no inventário extrajudicial o mesmo advogado pode representar todos os sucessores
Open chat